Sobre

Descobri minha escoliose aos 14 anos de idade numa visita inesperada a um ortopedista de pronto-socorro. Antes disso a doença já fazia parte da minha vida mas era ignorada por mim, por meus pais, parentes e professores que por negligência ou falta de informação ignoravam minha condição.

Obviamente foi um susto sair de um consultório com um dedo luxado e uma coluna torta para cuidar. Mas a pior parte não é o diagnóstico é o dia-a-dia! Por que como se não bastassem as dores e as dificuldades, ainda temos que lidar com médicos céticos e ultrapassados que nos sentenciam a uma vida de dores, sem tratamento ou qualidade de vida.

Aos 22 anos, com 20 graus de curvatura e diversas queixas diárias resolvi que deveria fazer algo para mudar um quadro que me impedia de passear no shopping ou assistir uma partida de futebol no estádio. E foi assim que após uma consulta esperançosa resolvi começar a fazer musculação. Hoje, aos 24 anos (1 ano e meio depois de ter começado musculação) readquiri qualidade de vida e agradeço todos os dias por levantar de cama e poder fazer exatamente tudo que tenho vontade de fazer, sem dores ou lamentações.

A musculação me devolveu a alegria de viver, me proporcionou boas noites de sono e dias repletos de atividades. Hoje eu tenho um corpo pelo qual me orgulho e colocar um biquíni já não é mais uma dificuldade por que através da musculação aprendi a me amar com sou: com esse quadril torto, esses ombros largos e esses joelhos valgos.

E é exatamente por isso que uso esse blog e o meu instagram @escoliosefitness para inspirar outras pessoas com escoliose a deixar o diagnóstico de lado (só um pouquinho) e se preocupar com o que é possível fazer dali pra frente.